Depressoes e ironias: Geralt of Rivia e a fobia social

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Geralt of Rivia e a fobia social

Olá, povo. Gosto muito de traçar paralelos entre filmes, jogos e livros (caso eu termine de ler um inteiro) que tenho contato com doenças que aflingem os depressivos e doenças "semelhantes". E uma coisa que pega muitos depressivos é a fobia social, a qual, me sinto "honrado" em carregá-la nas entranhas de meu ser :).

Um personagem que notei que seria um forte candidato a fobia social é Geralt of Rivia. Um personagem de uma série de livros (não se preocupem, esses não estão na lista dos que tive contatos e menos ainda dos que terminei de ler :P), uma série chamada Wiedzmin, assisti toda e gostei demais.

Depois da série, veio o jogo de computador, são dois e estou no primeiro ainda mas para não mudar a tradição (já que vi a trilogia Senhor dos anéis começando do terceiro sem entender nada, depois o segundo entendendo menos ainda e logo depois o primeiro e finalmente sacando quase tudo pois tive que ver o segundo e depois o terceiro para entender direito), eu conheci a saga Witcher através do jogo, depois a série e quem sabe, num futuro remoto, já que pretendo terminar de ler Harry Potter antes (estou parado no primeiro parágrafo do primeiro livro), então acho que vai demorar um bocadinho :).

Resumão bacana: Geralt é um witcher, algo como um alquimista guerreiro, ele não é humano, anão, elfo, troll nem nada disso, é um witcher. Ele não nasce assim, é feito assim e até onde sei, somente humanos viram witcher's (sei lá como que é o plural disso!!!!).

As regras: não interagir com o mundo dos humanos e nem de outras criaturas vivas que possuem consciencia (elfo, anão, humano e por aí vai). Proteger a raça humana dos monstros. Sempre respeitar os seus anciãos (ou seria anciões? :S(ou seria seriam anciãos (anciões)?)). Enfim, há toda um conjunto de leis que eles devem obedecer.

Passam por um processo onde deve haver isolamento de todo e qualquer ser consciente, exceto os witcher's (um dia aprendo o plural disto!), isso desde criança até a fase adulta.

Resumão do resumão: sem contatos sociais de qualidade, já que muitas vezes, com os treinos, algum deles sai ferido ou até morto.

Agora o paralelo: imagine um cara que só tem contato com pessoas na escola/faculdade.

Claro, sai ingênuo, desconfiado ou com confiança demais nas pessoas e muitas vezes até sem saber como reagir. Geralt sai de seu treinamento com o objetivo de proteger as pessoas e na sua ingenuidade, achando que só há pessoas boas e bacanas. Mas ele lida com preconceito, já que por ser um witcher ele deixa de ser considerado um ser humano, lida com a crueldade das pessoas para com as outras e com outras criaturas que são capazes de dialogar de igual para igual com os humanos, como os elfos e os anões. Preconceito também contra as bruxas que na série me lembra mais as Wiccanas do que as bruxas que normalmente são retratadas em filmes, algo que gostei bastante já que tenho bastante simpatia pelas Wiccanas.

Ele inclusive passa pela fase clássica que todo depressivo com fobia social passa, a de se questionar se todas as pessoas são ruins. Ele deixa claro numa fase mais melancólica em que ele fala com um amigo dele que é bardo "Nós temos que proteger os humanos dos monstros, mas ninguém me disse que os humanos também são". Nós que temos depressão e fobia social passamos por essa fase mais cedo ou mais tarde e é muito difícil.

Geralt se identifica com os que sofrem preconceito, assim como muitos de nós, que acabamos sendo unidos pela dor que sentimos para nos fortalecer. Ele se alia a elfos, tem um grande amigo anão, se alia às bruxas e o bardo, que se considera um artista onde seu trabalho só tem valor se tiver teor pornográfico e se sente desvalorizado, se torna seu maior amigo.

Todos eles com sua dor, dificuldade. Mas dores e dificuldades em diferentes níveis e de formas diferentes, assim como os bipolares, borders, esquizofrênicos. Se nós fossemos o Geralt então bipolares, borders e esquizofrênicos seriam os elfos, anões, wiccans e bardos.

Geralt consegue se adaptar a um mundo hostil no qual ele não foi preparado para lidar, mas como? Se expondo, indo atrás de contratos com as mais diversas pessoas, conhecendo todo tipo de gente. Se pararmos para pensar, essa é a forma de melhorarmos da fobia.

Quando temos fobia social temos que nos expor, deixar o mundo nos conhecer e conhecer o mundo. Haverá a sensação de que o mundo é um lugar cruel, ruim e estressante, mas não se preocupem, depois vocês terão a certeza de que é isso mesmo :P. Mas sempre terá pessoas bacanas, preocupadas com as outras. É como o ouro, você não encontra assim tão fácil, demora a achar. E quando acha vale a pena o trabalho.

E pra melhorar da fobia só exposição mesmo, se é medo de baratas, tenha mais contato com elas, se é de fogo, se atreva a chegar perto, se é de água, dê um mergulho, se é de morrer, seja ameaçado de morte aqui e acolá! Temos que aprender que a fobia é nada menos do que um medo irracional.

Não há remedios, até onde sei para curar.

Uma coisa que usei hoje e talvez ajude vocês que tenham fobia social, estive num hospital para acompanhar uma pessoa. tinha cerca de 30 pessoas perto (acertou quem apostou que era hospital público :)), a três anos atrás eu teria pire-paque e ficaria paralisado que nem o Chaves mas hoje não. Permaneci tranquilo mas fiz o seguinte. Das 30, só conhecia uma, tinha a recepcionista que eu tinha que lidar com, então somando dá duas. Aqui e acolá uma senhora idosa e um senhor idoso também falavam comigo, mais dois. Total 4. Das 30, precisei interagir com 4. Então os 26 que sobraram deixaram de existir em minha mente, isolei eles de meus pensamentos. Encarei eles como meros coadjuvantes do que estava acontecendo lá dentro e assim pude andar na sala e falar sem problemas.

Isso é fácil? Bom, é como física quantica avançada. Depois que você aprende é molezinha!!!!!!! Mas antes disso é difícil, e há muitas outrs coisas para se aprender. Mas nada de desanimar, difícil é, mas é recompensador quando vemos o quanto melhoramos. Temos muitos recursos, mas precisamos aprender eles e saber como usar.

No final das contas, depois do esforço necessário, temos nossa recompensa. Nossa melhora mesmo que parcial.

E o Geralt? Bem, ele tem um final tranquilo no seriado, afinal de contas, dentro de um assassino que mata qualquer matador profissional sem esforço há sempre um homem sensível que quer amar e ser amado :) S2

Um comentário:

  1. "Nós temos que proteger os humanos dos monstros, mas ninguém me disse que os humanos também são"
    Achei interessante a frase. Acho que não só os fóbicos se sentem assim, acho que um todo se sente dessa forma.
    Quanto a se aproximar de barata, beleza, vou começar a te deixar a fazer o próprio almoço :P huahuahuahuahua

    ResponderExcluir